Plástico pode estar ligado à obesidade, conclui estudo


De acordo com pesquisa, crianças e adolescentes obesos apresentam maiores concentrações de BPA (Bisfenol A) na urina; elemento está presente principalmente em plástico de utensílios de cozinha

(Foto: Getty Images)
Imagem Ilustrativa
Um dos fatores que pode estar associado à obesidade em adultos é a exposição deles, quando crianças e adolescentes, ao Bisfenol A (BPA, da sigla em inglês). Um recente estudo da Escola de Medicina da New York University concluiu que crianças e adolescentes obesos apresentam maiores concentrações de BPA na urina. “Talvez o BPA seja responsável pela multiplicação do tecido adiposo nas crianças e adolescentes, o que poderia levar ao ganho de peso”, considera a endocrinologista Andressa Heimbecher, médica colaboradora do Grupo de Obesidade e Síndrome Metabólica do Hospital das Clínicas, em São Paulo.

Ela explica que o Bisfenol A é um disruptor endógeno, ou seja, imita um hormônio feminino que o corpo produz naturalmente, o estrógeno. Diversos estudos relacionam essa substância à puberdade precoce, risco de câncer e de doença cardiovascular. O novo estudo é o primeiro que descreve uma associação entre a exposição a um agente químico com a obesidade infantil.

O Bisfenol A está presente na grande maioria dos utensílios de cozinha – mamadeiras, tampas para microondas, colheres, copos, pratos e potes de acondicionamento de alimentos – e, quando eles são aquecidos ou resfriados a temperaturas muito extremas, podem liberar BPA. Ele também pode ser encontrado em encanamentos e no revestimento interno das latas de alimentos enlatados – e pode ser liberado com facilidade em caso de amassamento. Até nos papéis térmicos, aqueles que são usados na impressão de ingressos de cinemas, por exemplo, este elemento está presente, e permanece na pele depois que manipulamos esses papéis. “O ideal é lavar sempre as mãos antes de ter contato com bebês para evitar que eles sejam expostos ao BPA”, acredita a endocrinologista.

No estudo, foi visto que as crianças e adolescentes obesos apresentavam mais Bisfenol A na urina, logo isso pode indicar uma correlação entre o contato com o BPA e o risco de obesidade nesta faixa etária”, diz a Dra. Andressa. Para tanto, ela recomenda que se evite o uso de utensílios plásticos, substituindo-os por porcelana ou vidro. O elemento pode ainda ser liberado com o uso de detergentes muito abrasivos. Por isso, a médica recomenda o uso de sabão de coco, que agride menos o plástico.

Na Europa e Estados Unidos, leis proíbem o uso de BPA na fabricação da matéria-prima para mamadeiras. No Brasil, a Anvisa proibiu o uso em mamadeiras em setembro de 2011. No entanto, cabe ressaltar que o uso não deve ser considerado o único responsável pelo ganho de peso na infância. Existem muitos fatores a serem considerados em conjunto como, por exemplo, o fato de uma alimentação menos saudável, com enlatados e poucos vegetais, verduras e frutas. E, muitas vezes, as crianças que estão acima do peso podem estar ingerindo mais os alimentos industrializados.

Fonte: Em Pauta Comunicação
Plástico pode estar ligado à obesidade, conclui estudo Plástico pode estar ligado à obesidade, conclui estudo Reviewed by Redação on 4/05/2013 01:07:00 PM Rating: 5

Nenhum comentário

Fale com a redação: contato@portaltelenoticias.com

-

Publicidade

-