Polarização aumenta e as eleições de 2018 contam com maior engajamento dos eleitores no Brasil

Hoje são 26% os que se consideram de 'esquerda' e 28% de 'direita'. Os declarados 'centro' somam 22%
(Foto: Getty Images)
O PT é hoje na visão do eleitorado o partido mais à esquerda e,
 do outro lado, está o PSDB, mais à direita
Estudo Mapa Político, do instituto Hello, entrevistou pessoalmente 1.993 eleitores e revela que a proporção do eleitorado que tem muito interesse pelas eleições aumentou 150% em 4 anos. Desde as eleições de 2014, o instituo consulta a população sobre qual seria seu posicionamento político entre os campos da “esquerda”, do “centro” e da “direita”. Nestas eleições, há maior número de pessoas declarando ter algum posicionamento – neste ano, 25% dos entrevistados declararam não saber sua posição política, enquanto em 2014 eram 40%.
O estudo também mostra que se há 4 anos 30% se declaravam centro, hoje esse número tem se diluído entre esquerda e direita. Atualmente são 26% os que se consideram de esquerda (centro-esquerda, esquerda ou extrema esquerda) e 28% de direita (centro-direita, direita, extrema direita). Os declarados “centro” somam 22%.
Gráfico posicionamento político
Para o diretor da Hello, Denis Bertoncello, todos esses resultados servem como termômetro da evolução do debate político no Brasil. “Quando realizamos o primeiro levantamento, às vésperas do início da campanha presidencial de 2014, vínhamos de um forte movimento de descrédito na política, as manifestações de 2013, o “não vai ter Copa”, e 40% do eleitorado não se posicionava. Mesmo com a forte polarização entre Dilma e Aécio nas eleições e depois com o agravamento da crise política, o que vimos até 2016 não foi uma maior “polarização” do eleitorado, mas sim o fortalecimento de uma aversão à política: enquanto os polos da direita e da esquerda continuavam cada um com cerca de 15% do eleitorado, chegou a 57% a proporção daqueles que não tinha posição nenhuma”, diz.
Gráfico políticos preferidos
Engajamento
Apesar de não serem maioria, mais brasileiros têm demonstrado muito interesse pelas eleições. Se em 2014 eram apenas 10% com muito interesse no pleito, neste ano, são 25%. Por outro lado, a faixa daqueles com nenhum interesse pelas eleições permanece a mesma, cerca de 3 em cada 10 entrevistados. Nas eleições deste ano também há mais pessoas que votariam mesmo não obrigadas, saindo de 30 para 35% dos eleitores.
Entre os segmentos mais engajados nessas eleições temos aqueles eleitores om nível superior de educação e os simpatizantes da direita. Entre esses dois públicos, a parcela daqueles que se consideram muito interessados nas eleições vai a 34% (contra 25% da média). Depois, destacam-se os nordestinos e os homens, com 30% dos públicos demonstrando muito interesse nas eleições, e os eleitores de 25 a 34 anos, com 29%.
Do outro lado, 33% do eleitorado diz ter nenhum interesse nas eleições, sendo a situação mais grave entre aqueles que declaram não ter posição política (44%), e depois entre os moradores do Sul, as mulheres e os eleitores com mais de 60 anos (nos três casos a parcela de eleitores sem interesse é de 36%).
Políticos e partidos
Gráfico Lula x Bolsonaro
Lula e Bolsonaro são os políticos melhores colocados na preferência do eleitorado, mas, o número de pessoas que não tem político preferido segue destacadamente alto, sendo praticamente 5 vezes maior do que o número de pessoas que dizem preferir Lula.
A pesquisa avaliou qual o posicionamento político daqueles que informaram ter preferência por Lula e Bolsonaro. Entre a parte do eleitorado que prefere Bolsonaro, destaca-se em larga medida aqueles que se posicionam como de direita, depois, os de centro. Já Lula conta com apoio mais equilibrado entre o eleitorado que se assume de direita e de esquerda.
Os entrevistados também indicaram qual seria o posicionamento político dos partidos a partir do que entendiam por esquerda, centro e direita e pelo que conheciam de cada sigla. Este ano, 72% dos eleitores souberam posicionar o PT em algum ponto dessa escala sendo que, em 2014, foram apenas 45%, o que revela maior afinidade do eleitorado com os conceitos. O PT é hoje na visão do eleitorado o partido mais à esquerda e, do outro lado, está o PSDB, mais à direita. Sobre os tucanos, 66% dos eleitores souberam informar a posição política nesta edição da pesquisa, contra apenas 38% em 2014.
“Passado o impeachment e a prisão do Lula, podemos dizer que a polarização no Brasil aumentou, com cada polo político praticamente dobrando de proporção de simpatizantes em relação ao que se via em 2014. Aumentou também o número de pessoas que sabem posicionar os partidos no espectro da esquerda à direita, e o PT e o PSDB aparecem cada um em uma ponta, reforçando essa polarização”, analisa Bertoncello.


Gráfico posicionamento sobre partidos políticos

A pesquisa
A pesquisa entrevistou 1993 eleitores na primeira quinzena de agosto. As entrevistas foram realizadas presencialmente nas casas dos eleitores, com pessoas com mais de 16 anos, das classes A, B, C, D e E de diversas escolaridades e de todas as regiões do país.
Fonte: Retorno Comunicação
Polarização aumenta e as eleições de 2018 contam com maior engajamento dos eleitores no Brasil  Polarização aumenta e as eleições de 2018 contam com maior engajamento dos eleitores no Brasil Reviewed by Redação on 8/30/2018 08:35:00 PM Rating: 5

Nenhum comentário

Fale com a redação: contato@portaltelenoticias.com

-

Publicidade

-