Excesso de peso aumenta risco de doenças cardiovasculares

Cirurgia bariátrica é o método mais eficaz no combate à obesidade mórbida e suas doenças associadas

(Foto: Getty Images)
Prevenção e controle dos fatores de risco é a grande chave para combater a obesidade e suas doenças associadas que correspondem a 72% dos óbitos no Brasil
De acordo com dados do Ministério da Saúde, das seis causas que mais matam no país, por ordem - acidente vascular cerebral, infarto do miocárdio, pneumonia, diabetes, violência e hipertensão - quatro delas são doenças que estão relacionadas à obesidade e as duas primeiras afetam diretamente o sistema cardiovascular. Sabendo-se que mais da metade dos brasileiros estão acima do peso, este é um quadro preocupante tanto para o momento atual quanto para o futuro, uma vez que o sobrepeso não tratado evolui para obesidade.

“À medida que a população começou a ganhar peso iniciou-se uma verdadeira guerra contra os alimentos gordurosos, mas essa batalha acabou estimulando o consumo de outros alimentos com muitas calorias e açúcar, o que acabou criando uma epidemia de obesidade nos adultos e principalmente nas crianças”, conta o Dr. Mauricio Wajngarten, professor docente em cardiologia da FMUSP e diretor da unidade de promoção de saúde e envelhecimento do Incor-Instituto do Coração, em São Paulo.

Além do perigoso cenário de obesidade esse consumo exacerbado de açúcar teve como consequência o aumento do número de diabéticos, fator de risco para o sistema cardiovascular. “O diabetes para os vasos sanguíneos é uma condição muito ruim, pois promove o entupimento dos vasos por aterosclerose, tendo como consequências infartos, derrames isquêmicos e doença vascular periférica”, explica o médico.

A obesidade também se associa ao aumento da pressão arterial, que se acentua com a idade. De fato, produtos do metabolismo da glicose contribuem para o endurecimento das grandes artérias que repercute com elevação da pressão sistólica, elevando riscos de infartos e derrames.

Para o Dr. Josemberg Campos, presidente da SBCBM - Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, o atual quadro mundial corrobora para que a cirurgia bariátrica se consolide como o método mais eficaz no combate à obesidade mórbida. “Além da perda de peso a cirurgia possibilita o controle de doenças associadas como diabetes, hipertensão, diminuição das complicações cardiovasculares relacionadas ao peso excessivo, entre tantos outros problemas. Isso confere ao paciente a melhora da autoestima e consequentemente sua ressocialização, já que o obeso, em geral, ainda sofre muita discriminação”, diz o presidente.

Coração do obeso

O coração do indivíduo obeso sofre uma série de problemas com o excesso de peso. A gordura em volta do órgão, considerada de origem ruim para o organismo, aumenta o risco de entupimentos arteriais ao mesmo tempo em que os altos níveis de açúcar no sangue podem causar o endurecimento do músculo cardíaco dificultando o desempenho adequado do coração.
         
Tratamento e prevenção

A combinação de uma dieta balanceada e a prática de exercícios físicos é a maneira mais recomendada para o controle do peso e dos fatores de risco que podem desencadear o surgimento de diversas doenças. O tratamento da obesidade também pode ser feito, em alguns casos, com a combinação de medicamentos, assim como, em último caso, com a realização da cirurgia bariátrica. Seja qual for o método utilizado para o emagrecimento, as placas de gordura que estão depositadas nas artérias do coração permanecerão lá, porém numa condição estável que oferece menor perigo.

“A placa é um órgão vivo que pode inflamar, crescer, romper e liberar produtos de dentro dela que facilitam o entupimento da artéria, isso é o infarto. Quando tratamos os fatores de risco a chance dessa placa sofrer inflamação diminui. Ela estará ali, mas oferecerá menor risco de causar problemas. Com isso, as chances de eventos adversos no coração diminuem consideravelmente”, salienta Dr. Mauricio Wajngarten.

Sobre a Cirurgia Bariátrica

A SBCBM segue as diretrizes que foram estabelecidas em reunião conjunta com Ministério da Saúde e Conselho Federal de Medicina, que gerou a Resolução CFM n° 1766, de 2005, atualizada posteriormente para resolução CFM n° 2.131/15. Nela estão definidas as indicações para a cirurgia bariátrica, como deve ser montada a equipe multidisciplinar que fará o acompanhamento de cada paciente, os tipos de cirurgias autorizadas no Brasil, além de outras diretrizes legais.

“De acordo com as orientações da resolução a cirurgia é liberada apenas para pacientes com IMC igual ou maior que 40kg/m² e pode ser realizada em casos de IMC entre 35kg/m² e 40kg/m², desde que o paciente tenha comorbidades como, por exemplo, o diabetes”, alerta Dr. Campos.

O preparo pré-operatório visa diminuir o risco para a cirurgia e otimizar a segurança e os resultados metabólicos e melhora de outras comorbidades. Problemas de saúde que o paciente já venha apresentando devem ser compensados da melhor forma possível com otimização das medidas necessárias como ajuste de doses de medicamentos, dieta específica, fisioterapia e preparo psicológico. Nessa fase, também é obrigatório o preenchimento do documento Consentimento Informado, no qual o paciente reconhece estar devidamente informado sobre os benefícios e riscos da cirurgia.

No pós-operatório, além do acompanhamento nutricional, o acompanhamento psicológico também é muito importante e deve ser sempre preventivo e educativo. É necessário considerar o aparecimento de novos fatores de estresse e ansiedade após a cirurgia. Além disso, o paciente pode criar expectativas que não serão atingidas e também em relação à velocidade de melhora.

Fonte: Target
Excesso de peso aumenta risco de doenças cardiovasculares Excesso de peso aumenta risco de doenças cardiovasculares Reviewed by Redação on 10/06/2016 03:50:00 PM Rating: 5

Nenhum comentário

Fale com a redação: contato@portaltelenoticias.com

-

Publicidade

-