Mulher congela óvulos aos 46 anos e é mãe aos 50


Caso é considerado inédito e foi apresentado no mais importante congresso mundial sobre reprodução humana
 (Foto: Getty  Images)
"A preservação da fertilidade pode, sim, ser oferecida
 a mulheres em idade avançada", diz especialista
Aumenta a cada ano o número de mulheres que se casam e têm filhos mais tarde, privilegiando o profissional e investindo na carreira. Assim, adiam a realização do sonho de ter filhos. Muitas têm consciência, graças aos meios de comunicação, que após os 35 anos a capacidade reprodutiva diminui, por isto muitas delas se afligem frente a esta realidade. O congelamento de óvulos é uma saída que pode minimizar esta angústia. E o ideal é que seja feito antes dos 35 anos.
Porém, surpresas sempre podem acontecer, como este caso inédito, apresentado pela equipe do IPGO durante o 6º Congresso Internacional IVI, um dos mais importantes da área de reprodução humana,  realizado em Alicante, Espanha, entre os dias 23 e 25 de abril deste ano: uma mulher de 46 anos de idade foi à clínica do IPGO, em São Paulo, em maio de 2010 e, após pesquisar suas opções, escolheu congelar seus óvulos. Apesar dos resultados negativos serem comuns nesta faixa etária, ela estava decidida. “Como médico, fui bem franco e disse que suas chances eram praticamente nulas, que não havia casos semelhantes que obtiveram sucesso, mas ela insistiu. Percebi que estava bem consciente de sua escolha e resolvi atender seu pedido”, comenta o diretor do IPGO, Arnaldo Schizzi Cambiaghi, especialista em reprodução humana que realizou o procedimento.

(Foto: divulgação) 
Dr. Arnaldo Schizzi Cambiaghi
A paciente optou por adiar o tratamento porque em alguns anos se aposentaria e seu sonho era ela própria cuidar dos filhos, assim, postergou seu sonho por mais quatro anos. O protocolo para a estimulação ovariana foi seguido e, em julho de 2014, quando a paciente estava com 50 anos de idade, decidiu iniciar a preparação do endométrio para tentar a transferência de embriões. No 10º dia de estimulação, o endométrio atingiu 10,8 mm e os ovócitos foram descongelados. Neste dia, os espermatozoides foram obtidos por aspiração percutânea, pois seu marido havia feito vasectomia.
Três embriões foram formados e transferidos. Dias depois, um ultrassom mostrava um embrião com batimentos cardíacos. A gestação teve desenvolvimento fetal normal e sem complicações clínicas. Dia nove de abril deste ano, às vésperas de completar 51 anos, a paciente deu à luz uma menina. A criança nasceu de cesárea, pesando quase quatro quilos e medindo 50 cm. Três dias depois, mãe e filha estavam ótimas, tiveram alta e foram para casa.

“Após essa experiência, a conclusão a que chegamos é que, apesar da maioria dos resultados de congelamento de óvulos depois de certa idade ser ruim, a preservação da fertilidade pode, sim, ser oferecida a mulheres em idade avançada. No entanto, ela deve ser informada sobre suas chances reduzidas de sucesso e é fundamental realizar uma avaliação clínica detalhada para garantir a segurança da gravidez”, conta Camgiaghi.
Sobre congelamento de óvulos
O envelhecimento ovariano (também conhecido como reserva ovariana) pode ser definido como a perda da saúde reprodutiva dos ovários e óvulos (oócitos) e está associado a um declínio no número de folículos ovarianos. Os hormônios tornam-se insuficientes, falta ovulação, diminui a fertilidade, as menstruações se tornam irregulares, depois escassas, vão cessando gradualmente e, finalmente, desaparecem completamente de forma irreversível. Este fenômeno é conhecido como menopausa e geralmente ocorre em uma idade média de 51 anos.

“Em circunstâncias normais, a diminuição acentuada da função ovariana começa entre 45 e 50 anos de idade. Se a mulher tiver esta perda aos 40 anos, clinicamente chamamos de envelhecimento precoce do ovário ou insuficiência ovariana. O ovário começa a não funcionar adequadamente tanto como órgão endócrino quanto como um órgão reprodutivo. Isto é o envelhecimento ovariano prematuro. Após os 45 é esperado declínio natural da função ovariana com o passar dos anos, o que é chamado de perimenopausa ou a transição da menopausa”, afirma Cambiaghi.

As mulheres não fazem novos óvulos após o nascimento. A reserva ovariana decresce com a idade e para algumas mulheres a fertilidade já começa a diminuir a partir dos 30 anos. O grau de declínio varia de mulher para mulher, mas este envelhecimento começa após os 35 anos e permanece de forma contínua até a menopausa.
“A criopreservação de oócitos humanos é uma técnica disponível para preservar a fertilidade nas mulheres que necessitem retardar a gravidez por razões diferentes. A idade da mãe é fundamental para a qualidade do oócito com taxas muito baixas de sucesso em idades avançadas. Nós relatamos um caso de gravidez bem sucedida após a vitrificação de oócitos realizado em idade avançada”, finaliza o médico.
Fonte: In the press comunicação
Mulher congela óvulos aos 46 anos e é mãe aos 50 Mulher congela óvulos aos 46 anos e é mãe aos 50 Reviewed by Redação on 6/24/2015 05:18:00 PM Rating: 5

Nenhum comentário

Fale com a redação: contato@portaltelenoticias.com

-

Publicidade

-