Mais comum em crianças e mulheres, piolhos precisam de tratamento específico


Especialista explica os sintomas e dá dicas para evitar essa doença parasitária

(Foto: Getty Images)
Imagem ilustrativa
Transmitida pelo contato direto interpessoal ou pelo uso de objetos como bonés, escovas de cabelo ou pentes de pessoas contaminadas, a pediculose da cabeça é uma doença parasitária causada pelo piolho (pediculus humanus var.capitis). A doença pode atingir qualquer pessoa, mas afeta principalmente crianças e mulheres.

A médica Carolina Marçon, dermatologista e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia afirma que "a doença é caracterizada por uma coceira intensa no couro cabeludo, principalmente na parte de trás da cabeça, podendo também atingir o pescoço e a região superior do tronco, onde é possível observarmos pontos avermelhados semelhantes a picadas de mosquitos."

A médica explica que por meio das lesões causadas pela coceira no local pode ocorrer infecção secundária por bactérias, o que poderá causar o aparecimento de glânglios no pescoço. "A pediculose da cabeça é causada por poucos parasitas, o que torna difícil encontrá-los, mas em alguns casos, principalmente em pessoas com maus hábitos higiênicos, a infestação pode acontecer em grande quantidade". Outra característica da doença é a presença das lêndeas, que são os ovos do parasita depositados pelas fêmeas nos fios de cabelo. "As lêndeas têm coloração esbranquiçada e ficam grudadas nos fios a aproximadamente 1cm do couro cabeludo", ressalta Dra. Carolina.

Para o tratamento da pediculose da cabeça são indicados alguns medicamentos específicos sob a forma de shampoos ou loções que, aplicados no local, irão exterminar os parasitas. A dermatologista comenta que o tratamento também pode ser feito com a indicação de medicamento via oral. "Para alguns casos de difícil tratamento, combinamos o tratamento local e oral, sendo possível a obtenção de resultados mais satisfatórios. Para a retirada dos piolhos e lêndeas, lavar a cabeça e utilizar um pente fino é fundamental, pois os medicamentos, muitas vezes, não eliminam os ovos e se as lêndeas não forem retiradas, darão origem a novos piolhos."

Para as crianças que frequentemente aparecem com piolhos, a recomendação da médica é manter os cabelos curtos, examinando sempre a cabeça com o auxílio do pente fino. "O ideal é que a cabeça seja verificada quando a criança chega da escola, que é geralmente o principal foco de infecção", reforça Dra. Carolina. Para as meninas, vale ir à escola com os cabelos presos, lembrando que os pais devem comunicar a escola sobre a doença do(a) filho(a) para que os outros pais possam verificar a cabeça dos seus filhos também, evitando assim uma possível recontaminação.

Fonte: Time Comunicação 
Mais comum em crianças e mulheres, piolhos precisam de tratamento específico  Mais comum em crianças e mulheres, piolhos precisam de tratamento específico Reviewed by Redação on 3/12/2014 10:30:00 AM Rating: 5

Nenhum comentário

Fale com a redação: contato@portaltelenoticias.com

-

Publicidade

-