Dor na relação sexual pode ser causada por 'prolapso genital'


Ainda desconhecido por grande parte da população e comum a partir dos 40 anos, o prolapso genital atinge duas em cada dez mulheres, trazendo problemas na vida sexual, incontinência urinária e piora considerável da qualidade de vida

(Foto: Getty Images)
Doença é comum a partir dos 40 anos e muitas mulheres convivem
sem pedir ajuda, por vergonha e desconhecimento
Desconforto durante a relação sexual, sensação de que há uma uma saliência ou abaulamento na vagina e perda involuntária de urina são alguns dos sintomas do prolapso genital, condição que pode atingir duas em cada dez mulheres a partir dos 40 anos. Popularmente conhecido como 'bexiga caída”, o prolapso genital é caracterizado pela queda da parede da vagina, consequência do enfraquecimento dos músculos da região pélvica, causando o deslocamento de órgãos como útero, bexiga, reto, intestino delgado e uretra.

“Existem quatro graus de prolapso. Nos mais graves, a mulher sente uma bola na região genital, que causa enorme desconforto e constrangimento. Mulheres com prolapso passam a evitar seus parceiros, já que, além da vergonha, o ato sexual pode se tornar doloroso. A doença também prejudica a qualidade de vida, uma vez que causa a perda involuntária de urina”, explica a ginecologista da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e especialista no assunto, Silvia Carramão.

Apesar de frequente, muitas mulheres ainda desconhecem o problema. “É comum elas sentirem vergonha de pedir ajuda ou acharem que é normal, consequência da idade. Algumas apenas buscam tratamento quando o prolapso está bastante avançado”, explica.

O diagnóstico do prolapso é clínico e sua ocorrência está relacionada a múltiplos partos normais ou gravidez, obesidade, menopausa, cirurgias abdominais ou vaginais prévias, envelhecimento e algumas doenças musculares, neurológicas e genéticas. “Estudos mostram que, a cada década de vida, dobra a chance da mulher apresentar o prolapso genital, sendo que 11% das mulheres até os 70 anos precisarão de tratamento cirúrgico", explica.

A doença também atinge mulheres jovens, mas é mais comum a partir dos 40 anos principalmente em:

- Mulheres que tiveram mais de uma gravidez ou partos normais

- Após a menopausa

- Mulheres com diabetes, sobrepeso ou com algumas doenças musculares, neurológicas e genéticas

- Cirurgias anteriores

- Histerectomia (retirada do útero)

- Envelhecimento

- Genética

- Etnia


Sintomas:

- Desconforto na região genital

- Sensação de saliência na vagina

- Perda involuntária de urina

- Dificuldade ou dor nas relações sexuais


Tratamento

O tratamento varia de acordo com a intensidade. Nos prolapsos mais leves, são indicados exercícios para a região pélvica e, nos casos mais avançados, é necessário o tratamento cirúrgico. A operação pode ser tradicional, para restaurar a anatomia normal, ou com a utilização de malhas sintéticas, por via vaginal ou laparoscópica que corrigem os defeitos do assoalho pélvico, fortalecendo a região, com taxas de eficácia superiores a 90%.

Tecnologias recém-lançadas no Brasil, como o Elevate, da American Medical Systems, também permitem a colocação da malha de forma minimamente invasiva, recobrindo a região pélvica que apresenta defeito com apenas uma incisão. “Estes tratamentos apresentam ótimos resultados, mas podem apresentar alguns efeitos colaterais, como a rejeição da tela, ou exposição da mesma na mucosa vaginal, devendo a paciente consultar o seu médico para verificar a melhor indicação cirúrgica”, afirma a ginecologista.

Prolapso Genital Leve: exercícios para a região pélvica.

Prolapso Genital Avançado: cirurgia tradicional de restauração da anatomia pélvica; procedimento de colocação de malha sintética para suporte da região.

Fonte: Agência NoAr
Dor na relação sexual pode ser causada por 'prolapso genital' Dor na relação sexual pode ser causada por 'prolapso genital' Reviewed by Redação on 5/15/2013 12:47:00 PM Rating: 5

Nenhum comentário

Fale com a redação: contato@portaltelenoticias.com

-

Publicidade

-