Substância cancerígena é detectada em cinco marcas de cachaça


Prazo para empresas se adequarem a limites aceitáveis de 'carbamato de etila' vem sendo adiado pelo governo

(Foto: Getty Images)
Imagem ilustrativa
Metade das cachaças e aguardentes de dez marcas líderes testadas pela PROTESTE Associação de Consumidores foi eliminada da avaliação por conter substância nociva à saúde, acima dos níveis aceitáveis. O problema é que o Ministério da Agricultura (Mapa) vem prorrogando o prazo para as empresas se adequarem às normas estabelecidas em 2005.

“Enquanto isso se agrava o risco à saúde”, reclama Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da PROTESTE, que pede vigência imediata da instrução normativa 13. Por si só as bebidas alcoólicas já causam danos à saúde. Ano passado o Brasil registrou dez mil casos de câncer associados ao uso de álcool.

No Brasil, o valor aceitável estipulado é de até 150 microgramas por litro (µg/l) mas as cinco marcas apresentaram entre 165µg/l e 755µg/l de carbamato de etila, composto químico classificado como possível agente causador de câncer pela Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (Iarc), da Organização Mundial da Saúde (OMS).

De acordo com os resultados das análises, a cachaça 7 Campos de Piracicaba  apresentava 755 microgramas do carbamato de etila por litro e a Pedra 90 - 548 µg/l . A Ypioca Prata (298 µg/l ); Pitú (255 µg/l) e Salinas (165 µg/l).

A Sagatiba foi a que apresentou o menor índice da substância: menos de 50 µg/l. Além desta, foram avaliadas e aprovadas as marcas São Francisco, Seleta, Pirassununga 51 e Velho Barreiro.

Na avaliação sobre a presença de aldeído, substância que contribui para intoxicações e sintomas de ressaca, só a cachaça Velho Barreiro ultrapassou o limite máximo — foi de 41,55mg/100ml de álcool anidro, quando o permitido são 30mg/100ml a.a. Por isso, recebeu o conceito “fraco”.

Quanto à adição de sacarose, que disfarça imperfeições e deixa a bebida mais suave, somente a cachaça Pirassununga 51 recebeu o conceito “fraco”, por denominar-se adoçada e ao mesmo tempo, não ter sido detectado nenhum teor de açúcar no produto.

As cachaças analisadas foram: Pirassununga 51, Sagatiba, São Francisco, Seleta, Salinas e 7 Campos de Piracicaba. Já as aguardentes de cana testadas foram: Pedra 90, Pitú, Ypioca e Velho Barreiro.

Fonte: PROTESTE
Substância cancerígena é detectada em cinco marcas de cachaça Substância cancerígena é detectada em cinco marcas de cachaça Reviewed by Redação on 2/02/2013 05:07:00 PM Rating: 5

Nenhum comentário

Fale com a redação: contato@portaltelenoticias.com

-

Publicidade

-