SP começa a fazer internação compulsória de dependentes químicos


Número de leitos para atendimento deve ser ampliado de 700 para 1.100 em 2014

De São Paulo
Camila Maciel │ Repórter da Agência Brasil

(Foto: Marcelo Camargo/ABr)
Dependentes químicos na região de São Paulo conhecida como Cracolândia
Teve início hoje (21) na capital paulista a parceria do governo estadual e do Poder Judiciário que pretende agilizar os processos de internação involuntária ou compulsória de dependentes químicos. De acordo com o desembargador Antonio Carlos Malheiros, coordenador da Vara de Infância e Juventude do Tribunal de Justiça de São Paulo, a parceria, oficializada no último dia 11, está condicionada ao respeito aos direitos humanos, podendo até mesmo ser suspensa, caso sejam verificadas violações.

“Esperamos que isso não aconteça. Agora é evidente que não só nós, do Poder Judiciário, mas o Ministério Público, a OAB [Ordem dos Advogados do Brasil], a Defensoria Pública, todos nós estaremos atentos ao resguardo da dignidade da pessoa humana. Todos nós somos antimanicomiais, mas há exceções quando a vida da pessoa está em risco ou ela está colocando em risco a vida de um terceiro”, disse ele, em resposta aos participantes de uma manifestação contra internação em manicômios.

O desembargador destacou a preocupação que teve inicialmente de essa ser uma ação apenas para retirar os usuários da Cracolândia, na região central. “Eu não poderia conceber ação do Judiciário com um movimento higienista ou de internação em massa, como ocorreu em outros estados. Eu jamais compactuaria com isso. Mas houve uma resposta no dia da instalação da medida, no Palácio dos Bandeirantes, que não seria, em hipótese nenhuma, uma ação com esse intuito”, declarou.

Para julgar as medidas cautelares que autorizam a internação compulsória ou involuntária (a pedido da família), um anexo do Tribunal de Justiça foi instalado no Centro de Referência de Álcool, Tabaco e outras Drogas (Cratod). O posto atende em regime de plantão, das 9 às 13 horas. Além do juiz e sua equipe técnica, irão atuar defensores públicos, que representam os usuários, e promotores de justiça.

A secretária da Justiça e da Defesa da Cidadania, Eloisa de Sousa Arruda, destacou que, antes de obrigar a internação, devem ser esgotadas todas as tentativas de uma ação consentida pelo usuário. “Existem agentes que estão atuando nas ruas, tanto a Missão Belém [organização não governamental] com mais de 50 abordadores sociais, como as equipes municipais de saúde e de assistência social, para tentar as internações voluntárias”, declarou.

De acordo com a secretária, a medida tem como foco pessoas em estado de drogadição avançado, especialmente as que possuem doenças reflexas. “Algumas delas têm comorbidades, como tuberculose, aids e hepatite, além da situação das grávidas e crianças. Algumas pessoas estão em situação bastante comprometida de saúde e sem a capacidade de decidir sobre o seu próprio destino”, avaliou. A família do usuário também poderá solicitar os serviços de saúde por meio do Samu - Serviço de Atendimento Móvel de Urgência.

Desde que a internação compulsória foi anunciada, o número de pessoas que procuram o Cratod aumentou, de acordo com a coordenadora de Saúde Mental, Álcool e Drogas, Rosangela Elias. “Não chegou a dobrar, mas pela mídia as pessoas ficam sabendo e querem mais informações”.

É o caso da diarista Aparecida Miranda, 63 anos, que procurou o serviço hoje para pedir a internação da filha de 33 anos, mãe de quatro filhos e usuária de drogas há 15 anos. “Ela mora mais na rua do que comigo. E quando chega é quebrando tudo. Ela nunca procurou internação. Ela fica muito agressiva dentro de casa. Eu chamo a polícia, eles levam ela amarrada, mas depois que sai do hospital, volta tudo de novo”, relatou.

Aparecida vê na iniciativa do governo estadual uma forma de conseguir a internação mesmo sem o consentimento da filha. “Ela nunca quis ser internada. Meus vizinhos mesmo falaram, agora é a sua vez. Por mim, ela fica um ano, dois, o tempo que for. Ela representa um risco, porque diz que vai me matar, matar os filhos dela. Ela dorme com uma faca debaixo da cama”, declarou.

Atualmente, existem 700 leitos na rede de saúde para atendimento de dependentes químicos. De acordo com a secretária de Justiça, a expectativa é que esse número seja ampliado para 1,1 mil em 2014. O Cratod atende, anualmente, cerca de 1,4 mil pessoas, segundo a Secretaria de Estado da Saúde. “A maior parte desses atendimentos é de pessoas que vêm voluntariamente buscar ajuda e nós fazemos o acolhimento”, explicou Rosangela.

Vagner Santos, de 35 anos, também procurou o serviço para se livrar do vício que tem há 21 anos. “Não aguento mais. O crack mata aos poucos, se pelo menos fosse de uma vez. Eu quero ser internado. Se eu sair daqui, eu vou fumar”, relatou. Ele, que é morador de rua, espera poder retomar a vida familiar depois do tratamento. “Mas é muito difícil. Já fui internado oito vezes e sempre volto”, lamentou.

Edição Beto Coura

SP começa a fazer internação compulsória de dependentes químicos SP começa a fazer internação compulsória de dependentes químicos Reviewed by Redação on 1/21/2013 06:46:00 PM Rating: 5

Nenhum comentário

Fale com a redação: contato@portaltelenoticias.com

-

Publicidade

-