Pare e Pense: Contraditório


Crônica │ Por Danilo Quintal

Ele acordou por volta das nove e meia da manhã,  espreguiçou-se e andou em direção ao chuveiro. Tomou aquela bela ducha. Sua filha já estava acordada. Por meia hora brincou com a menina, deu longos abraços e beijos demorados. E, enfim,  despediu-se:
- Tchau, amor! Papai vai trabalhar!
- Bom trabalho, Papai. Até mais tarde!, responde carinhosamente a filha com um sorriso no rosto.

Ele também acordou, mas antes, por volta das sete e meia. Tomou banho de canequinha. Pois o chuveiro estava queimado. O filhão, já acordado, brincava com uns bonequinhos doados pela patroa da mamãe. Ele, por longos minutos, brincou, sorriu, abraçou e beijou o menino. Depois despediu-se:
- O pai vai nessa, filhão.
- Tá, até mais tarde, Pai!, sério e com um imenso respeito.

Ele, pai dela, policial. Ele, pai do menino, ladrão. Cada um segue o seu caminho. Há um dito popular que diz: “Todos os dias acorda um burro e um esperto. Durante o dia eles vão se encontrar e vai dar negócio.” Sim, ao fim do dia eles iriam se encontrar, pela primeira e última vez.

Ele, pai da menina, deixou o condomínio fechado, deu bom dia ao porteiro e seguiu para o trabalho. Ele, pai do menino, desceu o beco, dando bom dia a todas as vizinhas e seguiu rumo à estratégia de mais um assalto.

O pai do menino encontra-se com outros dois parceiros de “fita”. O plano é assaltar uma casa, na Rua Alegria, no Tremembé. Durante o dia, estão em casa apenas uma senhora que, por motivos patológicos fica em repouso absoluto na cama, uma enfermeira que cuida dela e a empregada doméstica.

Os três invadem a casa, fazem as três de reféns, tudo parece sobre controle. Joias, dinheiro, peças valiosas, tudo possível é colocado em algumas malas. Mas um vizinho vê uma movimentação estranha e aciona a polícia.

O policial, pai da menina, estava em ronda nas proximidades. Ao ser comunicado do assalto, chega rapidamente ao local. Seu parceiro aguarda no carro e solicita reforços A fração de segundos em que o policial observa o ladrão é tomada por um silêncio ensurdecedor. O policial estuda qual ação tomar e o ladrão observa se reagiria com algum contra-ataque ao policial.  O silêncio que durou alguns segundos, mas para ambos passaram toda uma vida.

Sim, o silêncio dá lugar aos gritantes e horríveis barulhos de tiros. Vários deles, dos três contra os dois. Dos dois contra os três. Mas duas balas encontraram o mesmo caminho em corpos diferentes. Uma repousou na testa do policial, a outra, furou a toca do ladrão.

Dois pais de família com os corpos estendidos no chão. Mais dois filhos órfãos. Um integrante do órgão repressor a menos. E um bandido a menos no país. Tudo isso por causa do mundo das oportunidades inoportunas. Sim, o mundo das possibilidades não tão possíveis assim. Um mundo contraditório, onde as pessoas, no fundo, não têm culpa de ser o bandido ou o herói. Ou do herói ser bandido às vezes e o bandido ser o herói outras tantas.

Triste será para as novas viúvas responderem aos filhos:
- Cadê o papai?
Pare e Pense: Contraditório Pare e Pense: Contraditório Reviewed by Redação on 9/19/2012 10:00:00 AM Rating: 5

Nenhum comentário

Fale com a redação: contato@portaltelenoticias.com

-

Publicidade

-